como alento

 
ontem, dei todo um soneto às gaivotas!
era um novo soneto com o perfume do mar,
vários traços de pôr-do-sol e ilhotas,
e abraços, daqueles sinceros e de alentar.
dei-o partido em pedacinhos de sentidos
sem arestas, descalços e despidos;
dei-o com todo o cuidado e desprendimento.
desisti de dá-los aos pombos correios,
que os traziam de volta, em sofrimento,
debicados por fora e cansados dos passeios.
 

Anúncios

Deixar uma resposta e/ou comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s